domingo, 15 de fevereiro de 2009

Prólogo III: Ininterrupto

(originalmente postado em 2008-novembro-01: fotolog e intitulado da mesma maneira)

Quando me diz, afinal, cada uma dessas palavras que me iludem, e que me deixo iludir por sempre acreditar no melhor, às vezes enxergo esse veneno destilado quase sempre sem maldade, ou com essa maldade ingênua.

Acordo pra esse tempo, que não cessa, como o coração que não descansa desde o momento em que nasce até o momento em que dorme para sempre, nas férias eternas.

E vendo isso, afirmo com toda certeza, que pelo menos nos últimos cinco anos que vivi, cada 365 dias passados valeu como uma vida toda. Tamanha experiência que consegui acumular, nem sempre boa, contudo nunca realmente ruim a ponto de apodrecer a alma que aqui habita.

Continua tão incessante e incansável, mergulhando tudo para cada vez mais fundo que, não fosse pelos pontos marcados que ainda consigo ler ou lembrar de coração, teriam se perdido como tantas pequenas ações que há muito naufragaram.

Continua ainda, e põe no meu alcance de visão o infinito que ainda resta passar por mim.

Rio, às vezes, de alguns fatos consumados e de algumas ironias dilacerantes. Rio, quase sempre, do juiz cruel ser na verdade quem mais me fez bandido; de ver no criador a face que mais precisa de cuidados; e, por fim, de ver em mim mesmo a mudança que beira a descaracterização do meu personagem no tear dessa história.

As únicas palavras que ainda repito: "NÃO ESQUECER!". Delas me lembro sempre, e de vez em quando as falo em voz alta, difícil é lembrar o que o conselho delas tenta preservar.

Mas, quando finalmente consigo ver todos os caminhos que percorri, por completo, ao mesmo tempo, não consigo sentir outra coisa senão felicidade e satisfação.

2 comentários:

  1. Um texto com ambigüidades...

    intencional?

    xD

    Adoreei o texto que antecede este! :D

    ResponderExcluir
  2. "NÃO ESQUECER!" também me traz felicidade e satisfação.

    Seguimos em frente, mas o passado está sempre em nossa mente. Vazio é para quem não tem boas lembranças.

    Beijos, boa lembrança.

    ResponderExcluir